Seja bem vindo

Quando o dia amanhece Deus abençoa a todos, quando a noitece Deus dar o descanso para o corpo, mas mantém seu espirito em vigilancia. Permaneça firme em tudo que deseja realizar com fé e segurança.

Pesquisar este blog

segunda-feira, 2 de julho de 2012

SINSEMUC denúncia que PL do piso salarial dos professores de Carpina (PE) suprime direitos adquiridos
Categoria optou por manter suspensa a greve e caso prefeito não negocie a paralisação será retomada
O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Carpina e Região da Mata Norte (SINSEMUC), filiado à CGTB, realizou uma assembléia na Câmara de Vereadores de Carpina (PE), na terça-feira (26), e optou por manter suspensa a greve dos professores que lutam pelo cumprimento da Lei do Piso salarial da cidade. A categoria reconheceu que o prefeito de Carpina atendeu a recomendação do Ministério Público e enviou à Câmara o Projeto de Lei que fixa o novo valor do piso salarial dos profissionais do magistério público, no dia 18 de junho, porém o texto suprime direitos adquiridos.
“Vamos tentar a negociação. Caso o prefeito não atenda nossa reivindicação, a categoria será convocada e retomaremos a greve”, disse Maria das Mercês Silveira, presidente do SINSEMUC e tesoureira da CGTB-PE. De acordo com Mercês, o PL garante apenas a gratificação da docência, demais gratificações e quinquênio e suprime direitos e vantagens conquistadas ao longo do tempo.
A categoria ressaltou que o PL determina apenas que o piso salarial do professores com 150 horas aula passa a ser de R$ 1.089, não fazendo nenhuma referência ao piso inicial, conforme estabelece o inciso terceiro do 2º artigo da Lei nº 11.738/2008 (Legislação do Piso Salarial Nacional).
“Queremos reajuste sim, mas reajuste correto”, falou Mercês, convocando a categoria a se fazer presente na Câmara dos Vereadores na próxima terça-feira (03-07), quando o PL deve ser colocado em votação.
Histórico
No início de maio, o SINSEMUC suspendeu por 60 dias a greve dos professores deflagrada no dia 12 de abril exigindo o cumprimento da Lei do Piso salarial. A decisão de interromper a paralisação foi tomada após o SINSEMUC receber um oficio do Ministério Público dizendo que o prefeito de Carpina teria 60 dias para efetuar o pagamento do Piso Salarial dos Profissionais do Magistério Público da educação básica no município de Carpina.
O SINSEMUC havia notificado o Ministério Público para intervir e obrigar o prefeito a cumprir a Lei do Piso. Além disso, o Sindicato realizou no dia 20 de abril uma mobilização com 200 pessoas, apitos e carro de som percorrendo as ruas de Recife, culminando com uma manifestação em frente ao Tribunal de Justiça de Pernambuco.
Fonte: http://www.cgtb.org.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marcadores